20 out

Onde comer cannoli em São Paulo!

Para manter o blog funcionando da forma mais redonda possível, a gente mantêm um log (a pessoa sai da pesquisa clínica, mas a pesquisa clínica não sai dela!) de posts passados e futuros. Somos novos no ramo, temos como objetivo o upgrade de amador para profissional e no nosso humilde entendimento, um registros de atividades é a forma mais descomplicada de avaliar a quantas anda o blog e principalmente quais caminhos devemos seguir. Por isso eu posso afirmar sem nenhuma dúvida que o post “Onde encontrar cannoli em São Paulo!” estava planejado para um futuro longínquo, beeemmmm longínquo. Mas aí postamos a [DICA DE QUARTA] na nossa fanpage, recomendamos os cannoli da Feira de Antiguidades do Bixiga e simplesmente quebramos a web! O post do Facebook foi ao ar semana retrasada e até agora respondemos dezenas de vezes ao dia a mais simples das perguntas: onde comer cannoli em São Paulo?

E então como esse post foi “obrigado” a ir para o ar antes do previsto, os cannoli de outros estabelecimentos (confeitarias, cantinas e padarias!) que gostaríamos de experimentar ainda não foram avaliados e por isso já te aviso que esse é mais um “post vivo”. Seguiremos fazendo incursões esfomeadas por São Paulo e você seguirá aumentando a sua lista de lugares para desbravar aos finais de semana atrás de um bom cannolo! Os cannoli tanto do Eataly quanto da Di Cunto também foram degustados pela blogueira que vos fala, mas como eu não fui capaz de fazer ao menos uma foto respeitável de cada um deles, decidimos deixa-los de fora dessa primeira leva. Prometemos retornar em ambos os estabelecimentos e sairmos de lá não apenas mais balofos, mas com melhores registros também!

+ Está planejando sua viagem para São Paulo? Confira as melhores ofertas de hospedagem na cidade!

Ah, e como comida também é cultura, vale o esclarecimento aqui que cannolo e cannoli tem o mesmo significado, com a diferença que o primeiro é no singular e o segundo no plural. Ou seja, um cannolo, dois cannoli! Cannolis, com s no final, é uma palavra que não existe, pessoal! Podemos começar então? 3, 2, 1… Cannoli!

Seu Antônio na Rua Javari

Tentarei ser o mais delicada, respeitosa e reverente possível, porque os cannoli vendidos pelo Seu Antônio podem ser classificados como grande representantes da mais genuína e autêntica cozinha afetiva. E apesar de você nunca ter ouvido falar nele ou não fazer ideia de onde fica a Rua Javari, o cannolo do Seu Antônio já socorreu muito bambino saudoso de sua nonna ou mamma por aí, viu? Ah, Javari é a rua onde está localizado o estádio de futebol do Clube Atlético Juventus, que como não poderia deixar de ser fica na República Federativa da Mooca, meeeuuu!

Seu-Antônio-Rua-Javari-Estádio-Juventus-Cannoli-003

O senhor Antônio Pereira Garcia já pode ser considerado patrimônio mooquense, afinal vende seus doces durante os intervalos dos jogos do Juventus há mais de cinquenta anos. Dizem as boas línguas que muita gente que frequenta o estádio da Rua Javari só está ali por causa do “tio dos cannoli” e considerando que o Juventus é o time de futebol mais italianado de São Paulo e que a Mooca é o maior reduto dos imigrantes dos país da bota da cidade, talvez isso seja realmente verdade! E vamos combinar que assistir um jogo do Juventus na Javari deveria ser considerado atração turística obrigatória para quem visita São Paulo, não? Muito do que define a nossa cidade pode ser visto ali e se você já acha graça no nosso “meeeuuu”, não faz ideia de quantos “cazzos” nós escutamos durante o jogo. Mas voltando aos cannoli…

Seu-Antônio-Rua-Javari-Estádio-Juventus-Cannoli-001

O Seu Antônio está ali em todos os jogos do Juventus e uma fila grande começa a se formar pouco antes do juiz apitar o final do primeiro tempo. Ele vende mais de vende 500 unidades do doce por jogo, que podem ser recheados com creme de baunilha ou chocolate. O Seu Antônio cobra R$ 3,00 por canudo recheado e eu não satisfeita em comprar dois para serem devorados na mesma hora, ainda pedi mais quatro “para viagem”. Voltei saltitante para me sentar no meu degrau na arquibancada, ensaiei aquela mordida e fuém, fuém, fuém… Lembra que eu disse que os cannoli do Seu Antonio podem ser recheados com creme de baunilha ou chocolate, não? Pois é, e acontece que o recheio de um verdadeiro cannolo é bem diferente disso.

Seu-Antônio-Rua-Javari-Estádio-Juventus-Cannoli-002

O doce é grande, a massa é frita e coberta com açúcar de confeiteiro. Até aí tudo bem! O problema aqui é mesmo o recheio: bem diferente do tradicional siciliano que leva ricota, os cannoli do Seu Antônio são recheados com uma espécie de creme de confeiteiro. Bem “exótico”… E antes que um mooquense atire um rolo de macarrão na minha cabeça, eu vou compartilhar com vocês um “causo” esclarecedor. Durante nossa viagem de volta ao mundo, nós topamos com duas iguarias que nos chamaram muito a atenção: feijoada de feijão branco com carne bovina e caipirinha de rum. Inicialmente torcemos o nariz para ambas, mas depois de experimentá-las vimos que elas não eram ruins, elas só não seguiam a receita tradicional. Agora traz o “causo” para o recheio dos cannoli. O recheio de creme de confeiteiro significa que eles são ruins? Não, mas significa que eles não são cannoli de verdade. Ainda assim, comer um cannolo do Seu Antônio na Rua Javari durante um jogo do Juventus foge do tradicional e por isso é imperdível!

Zena Caffé
Rua Peixoto Gomide, 1901 – Jardim Paulista, São Paulo/SP

Apesar dos cannoli do Seu Antônio na Rua Javari serem BEM FAMOSOS, é o cannolo do Zena Caffé – entre todos os que experimentamos – que nasceu para ser celebridade. E apesar do quitute do Zena ser ótimo, são outros dois “itens” do lugar os responsáveis pelos louros colhidos pelo restaurante:  o chef e sócio-proprietário Carlos Bertolazzi (dos programas Homens Gourmet e Cozinha sob Pressão) e o Gnocchi Zena, que é capaz de fazer marmanjo chorar! Maaasss como o foco do post é cannolo, compartilho com vocês a minha adorável ida até o Zena para reexperimentar (essa palavra existe?) a sobremesa mais siciliana do cardápio…

Cheguei no Zena tão disposta a dar uma de Clemeza que quando o garçom me perguntou “mesa para quantas pessoas”, eu quaaaseee falei “forget the table, give me a cannoli”. Quaaaseee falei, mas não falei. Que tonta. Então, disposta a manter o estilo “poderosa chefona” expliquei que o balcão bastava para mim, já que eu estava ali única e exclusivamente atrás da sobremesa… E que sobremesa, o bicho aqui é grande (e custa R$ 9,00 cada!)! A massa do cannolo estava crocantíssima como deve ser, sinal de que o recheio só encontrou a massa segundos antes de chegar até mim. Cannolo recheado com muita antecedência é sinônimo de massa amolecida, per l’amor di Dio…

Zena-Caffé-001

Encontrei um vídeo no YouTube do próprio Bertolazzi fazendo cannoli no programa da Cátia Fonseca (aquele da Mama Bruschetta!), onde ele diz que a massa é feita com vinho Marsala e grappa! Huuummm, que delícia! Por isso cheguei no Zena na fissura para sentir a bendita massa, tarefa que se revelou impossível pela quantidade exagerada de recheio como se vê nas fotos. O recheio feito com creme de ricota, frutas cristalizadas, lascas de chocolate e pistache estava beeemmm gostoso, mas estava claramente sobrando ali. Se a massa do cannolo fosse uma massa qualquer não haveria tanto problema em deixa-la em segundo plano, mas esse definitivamente não é o caso.

Ainda no tal vídeo do Bertolazzi fazendo cannoli na TV, ele afirma que as frutas cristalizadas que ele costuma usar são bem melhores do que aquelas que nós normalmente encontramos nos panetones, que habitualmente são duras e secas. Para os seus cannoli, ele utiliza fruta fresca macerada com xarope de açúcar e eu acredito ser essa a razão do recheio levemente rosa (as frutas cristalizadas curtiram na ricota!). E para finalizar, além do açúcar de confeiteiro, ainda haviam lascas de chocolate… Lascas de chocolate nos cannoli…

OK, o cannolo é do Zena Caffé e se o Zena Caffé quiser colocar farinha de rosca no doce feito por eles o problema é deles, certo? Certo, mas na minha humildíssima opinião, o deslize do cannolo do Zena é se esforçar demais e acabar perdendo a mão. É a fruta cristalizada diferentona, é o recheio saindo pelo ladrão, é lasca de chocolate vazando pelos tubos… Tudo feito com muito esmero e com qualidade indiscutível obviamente, mas muito exagerado demais. Exatamente o oposto do que é um cannolo…

Taormina
Alameda Itú, 251 – Cerqueira César, São Paulo/SP

Você pode nunca ter vindo para São Paulo, mas certamente já ouviu falar sobre as nossas afamadas cantinas e pizzarias. Sim, porque o nosso trânsito é horrível e a qualidade do nosso ar não é das melhores, mas bradamos com orgulho que não existem pizzas e massas como as nossas. Pudera, São Paulo é a cidade que possui a maior comunidade italiana fora da Itália e modéstia a parte, os oriundi (descendentes de italianos!) seguem dando um show. Todo paulistano que se preze tem uma pizzaria e uma cantina para chamar de sua e principalmente buscar socorro num dia frio (tem coisa melhor do que exterminar um prato de massa com uma taça de vinho tinto, enquanto quase neva lá fora?).

E aí que como tudo o que já é bom pode ficar ainda melhor, nós descobrimos tempos atrás um restaurante siciliano em São Paulo, o Taormina. Opa, porque a culinária italiana é tão maravilhosa que cada uma das regiões do país possui vários pratos típicos e é da Sicília que vem a caponata, o Pasta alla Norma e, claro, os cannoli! O Taormina está localizado numa travessa da Avenida Nove de Julho, numa casa bem charmosa decorada com objetos vindos do país da bota e MUITAS homenagens, condecorações, congratulações e prêmios recebidos pelo restaurante. Apesar de ter lido nos Destemperados que o molho de tomate do Taormina é imperdível (daqueles que ficam horas cozinhando…), eu foquei na sobremesa e pedi um cannolo com café…

Taormina-Cannoli-001

E quando o garçom finalmente chegou com o meu pedido, eu confesso que quase desmaiei! O café fortíssimo é servido na moka, gente! Ou seja, mais italiano impossível! E o cannolo então? Ele é simplesmente DELICIOSO! A massa é saborosa e crocante, o recheio é fresco e suave (que textura, gente…). No cannolo do Taormina, nenhum ingrediente compete com o outro e você consegue finalmente entender porque ele é o doce mais popular entre os mafiosos sicilianos! Palmas para o cannolo do Taormina! Os canolli da casa saem por R$ 3,50 o pequeno e R$ 7,50 o tradicional.

Cannoleria Alexandre Leggieri
Praça Dom Orione – Bela Vista, São Paulo/SP

Se o Seu Antônio da Rua Javari é embaixador do cannolo em São Paulo, o Alexandre Leggieri é o primeiro ministro do quitute! E o cannolo do Alexandre é tão gostoso, tão saboroso que é por causa dele que esse post nasceu prematuro. Sim, porque foi uma foto da delícia que provamos na Feira de Antiguidades do Bixiga que compartilhamos com vocês na nossa fanpage, que acabou abalando as estruturas do blog! Feira-de-Antiguidades-do-Bixiga-Cannoleria-Alexandre-Leggieri-CannoliAh, vale lembrar que os cannoli do são exatamente os mesmos que eram vendidos antigamente na Cannoleria Casa di Dante, instalada nos fundos do Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro. A parceria entre eles chegou ao fim em meados de 2014 e hoje em dia, apesar do Alexandre ainda vender seus cannoli para o café aberto no mesmo lugar, é possível encontra-lo pessoalmente todos os domingos na Praça Dom Orione na Rua Treze de Maio.

Como visitar feiras de antiguidades ou antiquários nunca foi meu programa preferido na vida, admito que circular por entre dezenas de barracas vendendo quinquilharia na Dom Orione me deu até calafrios… Mas como meu apetite pelos cannoli do Alexandre me dava uma tremedeira ainda maior, eu foquei no quitute e segui adiante! E olha, eu vou te contar uma coisa, viu? Valeu muito a pena e certamente também valerá para você! Além do tradicional de ricota cremosa com pistache e cereja, a cannoleria móvel do Alexandre ainda vende cannolo de creme baunilha, de doce de leite argentino com amêndoas, de creme de avelã (pode falar Nutella?) e de creme de amendoim. Devoramos dois: eu apostei no tradicional e o Tadeu, que não vive sem chocolate, avançou num de Nutella. Estamos choramingando até agora…

E a peregrinação continua! Quer saber onde mais fomos em busca do cannolo perfeito? Siga no post Onde comer cannoli em São Paulo: o retorno!

Não seja egoísta... Compartilhe! :)

22 comentários em “Onde comer cannoli em São Paulo!

  1. Olá, Thelma.

    Cheguei ao seu site em busca de indicações de bons cannoli em SP.
    Segui seu conselho e visitei hoje a Cannoleria do Alexandre na Praça Dom Orione.
    Realmente superou minhas expectativas! Trouxe uma caixa cheia de cannoli para a família.

    Parabéns pela dedicação!

    1. Oi Daniel, tudo bem com você? Quer dizer então que você esteve saboreando os cannoli do Alexandre esse domingo, hein? Uma delícia, não? Fico feliz que você tenha seguido nossa indicação e principalmente que tenha aprovado a dica!
      Super obrigada pelo comentário e pela visita!
      Abraços,
      Thelma

  2. Até hoje não entendi. Esse Seu Antônio da Rua Javari fica dentro ou fora do estádio?

    1. Oi André, tudo bem? O Seu Antônio vende os cannoli dentro do estádio do Juventus, mas muita gente nem paga o ingresso para assistir ao jogo e faz seus pedidos do lado de fora do portão de entrada mesmo! Os seus ajudantes (esposa, filhos…) já estão acostumados com esse esquema e sempre atendem os que não estão lá muito interessados no jogo. O Seu Antônio chega próximo ao intervalo, mas como a fila de gente interessada no quitute é longa, ele segue trabalhando até bem depois do segundo tempo começar. Dá uma olhada no site da Federação Paulista de Futebol para ver quando é o próximo jogo do Juventus, que atualmente disputa a Série A2.
      Abraços,
      Thelma

    1. Olá Marta, como vai? O De Casa Para O Mundo é exclusivamente um blog de viagens e para obter as informações que busca, sugerimos que você entre em contato direto com o fornecedor de seu interesse.
      Muito obrigada pela visita de qualquer forma!
      Thelma

  3. Olá td bem? Parabéns pelas matérias publicadas, são sensacionais! Gostaria de saber se o Camillo do sr Antônio da mooca só pode ser comprado no estádio do Juventus ou há outro endereço físico que possa encontra lo. Desde já agradeço, abraço, Carlos

    1. Olá Carlos, como vai? Ficamos sabendo que antigamente o Seu Antônio mantinha um pequeno ponto de venda em frente a um atacadista na Vila Carrão (na Rua Manilha), mas infelizmente não conseguimos confirmar essa informação. Buscamos os contatos do Seu Antônio de todas as formas, mas ele infelizmente não possui perfil no Facebook, Instagram ou qualquer rede social. Vamos te sugerir o que sugerimos para outro leitor que nos escreveu buscando a mesma coisa: fique de olho no calendário de jogos do Juventus (http://www.juventus.com.br) já que ele “bate cartão” em toda partida! Essa tática é infalível!
      Abraços e obrigada pela visita!
      Thelma

    1. Olá Mayte, tudo bem? Infelizmente os cannoli do Alexandre Leggieri são encontrados somente na Praça Dom Orione na Rua Treze de Maio. Você já segue a fanpage oficial dele no Facebook? É só clicar aqui e acompanhar de perto todas as novidades!
      Abraços e obrigada pela visita!
      Thelma

  4. e então, quanto vc pagou pelo canolli no Taormina? e em relação ao Cannoleria Alexandre Leggieri, qual que vale mais a pena ?

    1. Oi Antônio, acabei de atualizar o post! Os canolli no Taormina saem por R$ 3,50 o pequeno e R$ 7,50 o tradicional. Já sobre a Cannoleria Alexandre Leggieri, eu começaria com um tradicional (de ricota cremosa com pistache e cereja) e fecharia com chave de ouro com um de creme de avelã! Ambos deliciosos!
      Abraços,

  5. Oi, adoro suas dicas. Vc poderia fazer uma série dessas sobre pastéis né, afinal estamos em SP e pastel faz parte da nossa tradição.

  6. Thelma, sou sua fã !!

    Seu jeito de escrever é encantador e tenho a mesma paixão que você por boa comida e viagens.
    Ah !! Quando vi o post se valia a pena ir até São Roque de Minas atrás dos queijos já devia ter comentado … afinal eu sai aqui de São Roque (não de Minas, de São Paulo mesmo) pra ir conhecer seu Zé Mario e outra queijeira famosa de lá… Super valeu a pena… cada trechinho dos 600 km.

    Beijo !!

    Juliana

    1. Que comentário mais fofo, Juliana! É muito fácil conseguir informações sobre quantos leitores temos por dia, semana ou mês, mas saber se o que escrevemos está agradando quem nos lê são “outros quinhentos”! Por isso sua mensagem me deixou super feliz! Pode deixar que eu vou seguir escrevendo sobre as nossas paixões então!
      Beijo,
      Thelma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *